A preocupação com o FIM

Postado por: Mentalista
Data: 2016-05-12 21:11:53 (Atualizado em: 2017-01-13 00:57:06)

Tags: blog, análises, fim do mundo, armagedom, testemunhas de Jeová, paraíso

Há muito tempo que as TJ's acreditam que o "fim deste sistema de coisas" está próximo. Muitas ao ouvirem as notícias da TV já associam os acontecimentos com o fim. Se há um terremoto, mesmo que não seja "um após o outro", é sinônimo de fim. Se uma "nova" doença começa a preocupar a população, é sinal do fim. Se o Barack O[u]s[/u]ama diz alguma coisa, é tempo do fim. Se as Nações Unidas fazem um tratado, é o fim batendo na porta.

As TJ's, e muitas outras pessoas, querem muito que o fim chegue. E é por isso que persistem em ficar reafirmando suas expectativas quando acontece alguma coisa, mesmo que não seja novidade e que já tenha ocorrido antes. Por exemplo, a peste negra devastou um terço da população europeia no séc. 14, a cólera matou centenas de milhares no séc. 19, a varíola e a tuberculose mataram juntas mais de 1 bilhão antes de 1914, o ano em que teria começado o "fim". Terremotos sempre existiram. A diferença é que hoje a humanidade ocupa uma parte maior do planeta, estando mais suscetível a eles.

Hoje (artigo originalmente escrito em 09 de Fevereiro de 2016) eu estava ouvindo alguns TJ's conversando e eles diziam que não aguentavam mais esperar o fim. Um deles até disse que "o fim nunca vem", dizendo mais tarde que "Jeová é quem sabe." Isto me fez pensar na hora sobre essa garantia de que o fim está próximo que a Torre de Vigia e seus antecessores fazem desde o final do séc. 19. Antigamente arriscavam datas; hoje eles apenas dizem que o fim pode vir a qualquer momento.

Não fiz este tópico para falar das consequências, mas vamos ver algumas delas rapidamente. Para começar, muitos são incentivados a deixar seus planos e metas para o "Paraíso", porque o mais importante agora é pregar com urgência. Devem criar expectativas apenas para depois do Armagedom. Quando a Sentinela ou algum discurso fala sobre ter um conceito equilibrado sobre saúde e sobre o mundo, muitos acabam, por serem muito leais à organização, levando aos extremos, ao pé da letra. Por isso, acabam ignorando prevenção de doenças, abdicando da oportunidade de ter filhos, menosprezando pessoas que não são TJs mas que seriam ótimas amigas, rejeitando ofertas vantajosas etc.

Voltando ao assunto principal... Essa garantia que as TJs têm não é nada segura, como podemos ver na história da organização. Um aspecto interessante da humanidade é que, mesmo nossas vidas sendo curtas, temos o costume de esquecer que muitas e muitas gerações já passaram, que muitas pessoas já nasceram, viveram e morreram neste planeta. Na verdade, muitas tiveram vidas tão longas quanto as das pessoas da atualidade. E foram muitas e muitas gerações. Mesmo assim, a humanidade, com medo da morte, tem o costume de pensar que está vivendo no fim.

Por exemplo, uma pesquisa rápida mostra mais de 100 datas diferentes ao longo dos últimos 2.000 anos que supostamente marcariam o "fim do mundo": Veja aqui no Wikipédia.

Podemos ver que não foram apenas em séculos recentes que essas datas foram estipuladas. Também é interessante que as pessoas usaram frequentemente a Bíblia para estipular essas datas.

Mas, será que faz sentido pensar que "Deus está reservando um fim para alguma data no futuro, mesmo que não saibamos quando será" ? Na minha opinião, não. Vou explicar o porquê.

Para começar, uma imagem:

Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/63/ProjecaoHistoricaPopulacaoMundial.png

A população mundial atingiu a marca de 1 bilhão por volta de 1800. O segundo bilhão depois de 123 anos. O terceiro depois de 33 anos. O quarto depois de 15 anos. Recentemente, tem aumentado em 1 bilhão a cada 12 anos.

Qual é a lógica em pregar? Qual é a lógica em "Deus não ser vagaroso, mas paciente"? Dizem que é assim que mais pessoas terão a chance de conhecê-lo. Mas isso não faz sentido algum quando analisamos o crescimento populacional.

Se Deus trouxesse o fim por volta de 1.300, pra começar muitas pessoas não teriam morrido com a Peste Negra. A população mundial estava na casa das centenas de milhões, o que significa que milhões de pessoas morriam todos os anos. Hoje são centenas de milhões que morrem.

Se ele trouxesse o fim ainda antes, muito menos gente teria morrido. Alguém poderia dizer: "Mas se Ele trouxesse o fim antes, você nem teria nascido. Não seja ingrato." É verdade que, se Deus existisse, e fizesse isso, eu nem teria nascido. Mas será que compensa sacrificar milhões de pessoas todos os anos apenas para que algumas tenham nascido, e muitas vezes nem façam a vontade dele? "Ah, mas ele sabia que haveria fiéis a ele." Isso não tira o peso de todas as mortes que já aconteceram nos últimos 2.000 anos. (Sem contar que ele poderia ter trazido o "Messias" antes.) Mesmo ignorando esse fato, o máximo que isso provaria é que Deus já sabia quem iria ser fiel, podendo apenas ter trazido o Paraíso, inserido as memórias que essas pessoas teriam se viessem a existir e as deixado "viver em paz por toda a eternidade". Mas ele preferiu que muitas viessem a existir e morressem.

Além disso, se as doenças atuais são um sinal do fim que Deus previu muito tempo atrás, então ele já sabia dessas doenças, o que realça o item anterior. Mais que isso, mostra que ele poderia ter escolhido uma data melhor para trazer o fim, antes que essas fatalidades ocorressem. Mas ele escolheu deixar que as coisas acontecessem assim, apenas para provar que consegue ver o futuro e deixar que muitos de seus servos se ferrassem para entenderem que fazem parte de um plano maior.

Dizer que o fim está por vir não faz sentido ainda por outro motivo baseado no crescimento populacional. A população mundial cresceu numa taxa cada vez maior. Se a pregação serve para avisar as pessoas, é totalmente inútil. Perto do crescimento mundial, o número de convertidos é mínimo. É um trabalho desvantajoso. Muitos têm que ser sacrificados para que poucos tenham uma esperança. A cada minuto nascem umas 200 pessoas no mundo. Ao deixar que a linha do tempo prossiga sem trazer o fim, Deus está na verdade levando muito mais pessoas para a morte do que concedendo novas vidas eternas.

Não faz nenhum sentido dizer que a pregação está aqui e que Deus não traz o fim logo para que mais pessoas tenham oportunidades de conhecê-lo. Como já visto, a população mundial cresce disparadamente. Por exemplo, comparando os anuários de 2013 e 2014, podemos notar que a obra de pregação não cresce em metade da Europa (que tem 46 países, segundo o anuário):

Países com diminuição de membros (11%)

  • Croácia
  • Eslovênia
  • Islândia
  • Liechtenstein
  • Polônia

Países com nenhum aumento (39%)

  • Alemanha
  • Armênia
  • Bósnia-Herzegovina
  • Chipre
  • Eslováquia
  • Estônia
  • Finlândia
  • Grécia
  • Holanda
  • Hungria
  • Letônia
  • Lituânia
  • Macedônia
  • Moldávia
  • Portugal
  • San Marino
  • Sérvia
  • Ucrânia

Países com aumento (50%)

  • Albânia
  • Andorra
  • Áustria
  • Azerbaijão
  • Belarus (Bielo-Rússia)
  • Bélgica
  • Bulgária
  • Dinamarca
  • Espanha
  • França
  • Geórgia
  • Grã-Bretanha
  • Itália
  • Irlanda
  • Luxemburgo
  • Malta
  • Montenegro
  • Noruega
  • República Tcheca
  • Romênia
  • Rússia
  • Suécia
  • Suiça

Além disso, dizem que Deus não vai salvar apenas TJs, mas que ele pode salvar também outras pessoas sinceras ou que não tiveram a oportunidade de ouvir a pregação. Logo, mais um motivo pelo qual ele poderia ter trazido o fim muito tempo atrás. O que o impediu de trazer o fim séculos atrás?

Comentários


@2016-2017 OBSERVATÓRIO DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ